new icn messageflickr-free-ic3d pan white
View allAll Photos Tagged astroc

As many of you know, I'm in great need of a bear fix. It's been 1 year since I've seen or photographed one in the wild. So lately I've been scouring through my archives in search of a vicarious bear thrill. LOL

 

This black bear was photographed in Yellowstone National Park one year ago today. It was a thrill to witness its movement across the landscape, foraging along the way. I'm much more familiar with brown (grizzly) bears, though the black bears fascinate me as well. I find them to have the most soulful eyes. I know that it sounds funny, but I can't help but feel that they know the "bad rap" they get. OK, by now I'm sure some of you think that I'm a bit crazy. They, like their other cousin bears, are fabulous moms and the males are often naughty ... seeking to kill the young so that they might mate the female (sow) again.

 

Back to the "bad rap" ... in Florida they definitely get that reputation and quite honestly it upsets me. We encroach on their home (wilderness) and leave our trash out tempting them to rummage through it and learn bad behavior. In Florida, they were a protected species until a few years back, when in 2015, they actually held an official hunt for them, citing public safety concerns. Never did they consider other methods of bear deterents or ways to coexist with the bears peacefully. They sold thousands of licenses to kill approximately 300 bears over a week long hunt season. Designated areas were identified and quotas were set for each, as well as "rules" to only takes lone males, lone non-lactating females, and forbidding cubs or their moms. It was a day in time that I was actually embarassed to say I was a Florida resident. As you can imagine, that's not what happened. Within 2 days, the quota had almost been met, lactating moms were part of the harvested bears, and other astrocities. It was halted. I literally cried at the images I saw.

 

In 2016, with the public's outcry of disgust, they voted to re-evaluate the fate of the bears and not grant a 2016 bear hunt. I was relieved, but pretty sure that it would just be a one-year hiatus to help the public forget. To my surprise, when the idea of a 2017 hunt was discussed and voted, they ruled that there would be no bear hunt not just in 2017, but also in 2018. It was a moment of pride for me as a resident of Florida. It goes to show the power of our voices in protecting the wildlife who can't speak for themselves. Thank you Florida! If we can do it, others can as well.

 

I'll step down from my soapbox now, but as many of you know, I have an enormous amount of respect and love for bears. Thanks for listening. :-)

 

© 2016 Debbie Tubridy / TNWA Photography

www.tnwaphotography.com

www.tnwaphotography.wordpress.com

Adding in cover text, title treatment, and the bar code. Fortune generally doesn't add the "stroke" outlines around its letters, but I felt like they were still getting lost on the cover too much, and color tricks weren't working to my eye.

 

The cover references are all linked to the "Astro City" comic book. N.R. Gistics is the rough analogue to Stark Enterprises, with a high-tech "employee" working for them called the N-Forcer, though it's not clear exactly who he is. "Ramona Severin" is named for Silver Age comic book greats Ramona Fradon and Marie Severin -- I don't think the comic has ever referenced who the company's CEO is, but I wanted to shoot a woman in a business suit. "Zero Point Energy" is a real thing, though some may recognize it because Syndrome uses it in the Pixar movie "The Incredibles."

 

Wheaton Investments is a random company from Astro City, and "Richard Mills" is a hint at a story in the first "Astro City" comics about a reporter who lands the story of the century and why he can't write about any of it. "K.O. Carson" is a character in Astro City with a close-enough name to "J.P. Morgan," and "Charles Williams" is the name of the good brother from "The Dark Age" story arc.

This is the original photo that I started with to make the "Fortune" magazine cover. That's a Play Toys head on a Verycool base body, wearing a Play Toys business suit.

Dropping in the figure. The background was pretty easy to select, but I had to erase some of the hair because some background was still peeking through. If you look very closely, you can still see a small light blue "halo" around her.

 

Also fixed the lost third button on her shirt.

Needed a nice high-tech looking background for the photo, and settled on a atrium I found in this Bloomberg News article. Layer 1 is a flat white background at 100% opacity, with Layer 2 being the atrium. Lowered the atrium layer opacity to about 60% and added some lens blur also to keep it from grabbing too much attention.

 

Size (and general design ideas) borrowed from the "Fortune" cover I found at dsreps.com/news/jeff-minton/jeff-minton-cover-of-fortune-....

Junio 2005. El mes de la fotografia en Madrid: PHOTO ESPAÑA

 

www.phedigital.com/

 

PROGRAMA DE EXPOSICIONES

 

CASA DE AMÉRICA

Oscar Mariné

Fernell Franco

Diego Barajas

 

CENTRO CULTURAL CONDE DUQUE

William Klein

Empirismos

Mass Observation

 

CENTRO CULTURAL DE LA VILLA

Calle Mayor. Fotografía urbana en América

Walter Rosenblum

Stephen Shore

Bill Owens

 

CÍRCULO DE BELLAS ARTES

Viaje alrededor de mi casa

Satoshi Minakawa

Guy Tillim

Miguel Trillo

David Spero

Francesco Jodice y Kal Karman

Martín Parr

Bertien Van Manen

 

CONSEJERÍA DE CULTURA Y DEPORTES

En las ciudades. Fotografías urbana en los fondosde la Fundació Foto Colectania

Ricky Dávila

 

FUNDACIÓN ASTROC

Gabriel Cualladó

 

FUNDACIÓN CANAL

Fotoleve

 

FUNDACIÓN TELEFÓNICA

Bernd y Hilla Becher

 

HOTEL NH NACIONAL ****

Selina Ou

 

INJUVE / Sala Amadís

Joan Morey

 

MUSEO COLECCIONES ICO

Keith Haring

 

MUSEO MUNICIPAL DE ARTE CONTEMPORÁNEO DE MADRID

Comenius Roethlisberger

 

MUSEO NACIONAL CENTRO DE ARTE REINA SOFÍA

Montserrat Soto

 

REAL JARDÍN BOTÁNICO

Stan Douglas

Stephen Gill

  

SECCIÓN OFICIAL

SEDE DE TOLEDO

 

MUSEO DE SANTA CRUZ DE TOLEDO

Servicio Público

Donovan Wylie

Art Chantry

  

FESTIVAL OFF

GALERÍAS

 

Arnés y Röpke

Brian Mckee

 

Arte y Naturaleza

Alexander Apóstol/Sergio Belinchón/Hannah Collins/Carlos Garaicoa/Juan Carlos González-Santiago/Mónica Lleó

 

Astarté

Manuel Vilches

Desconstructing

 

Blanca Soto

Al-Aralch/Larache. Una ciudad entre el Presente y su Memoria

 

Centro de Arte Moderno

Buenos Aires Buenos Aires-de los 50 al 2000-

 

Distrito Cu4tro

Naia del Castillo/Laurie Simmons

 

Elba Benítez

David Goldblatt

 

Fernando Pradilla

Urbanismo Sintético. Visiones de la Ciudad Postmoderna

 

Guillermo de Osma

Eduardo Momeñe

   

Helga de Alvear

James Casebere

 

Javier López

Jack Pierson

 

Juana de Aizpuru

Priscila Monge

 

La Fábrica Galería

Yaël Davids

 

Magda Belloti

Fernando Baena

  

Marina Miranda

Eugenio Castro

  

Marta Cervera

Jordi Bernadó

  

Moriarty

Chema Madoz

 

Oliva Arauna

Premio Altadis

 

Pilar Parra & Romero Galería de Arte

Slow Down

 

Rafael Pérez Hernando Arte Contemporáneo

Lamia Naji

 

Travesía Cuatro

Ignasi López

   

FESTIVAL OFF

SALAS INVITADAS

 

EFTI

Guy Le Querrec

  

FNAC

Stéphane Coturier

  

Fundación COAM

Madrid-Barcelona en paralelo

 

Goethe Institut Madrid

Reinhard Matz

 

Instituto de México

Héctor García

 

¿Vuelve el urbanismo salvaje?

  

Los expertos reconocen una demanda latente de vivienda pero aconsejan un plan previo que evite otra burbuja inmobiliaria

 

CRISTINA VÁZQUEZ - Valencia - 06/06/2011

  

El Tribunal de Justicia europeo sentenció el 26 de mayo que la Ley Urbanística Valenciana (LUV), en vigor, no vulnera las directivas europeas de contratos públicos. Unas horas después de conocerse el fallo, el Consell salió en tromba en un intento de ajustar cuentas con los que durante siete años criticaron su urbanismo. Y una cosa llevó a la otra. Tres días después, el consejero valenciano de Urbanismo, Juan Cotino, se rodeó de medio centenar de operadores inmobiliarios para anunciar una campaña de imagen que devuelva la confianza a los inversores extranjeros y alivien así un stock de 110.000 casas nuevas sin vender.

 

El Consell descargó sin vacilación las culpas del descrédito urbanístico valenciano sobre la oposición y "sus adláteres" pese a que los informes del Parlamento Europeo, donde se reconocían malas prácticas, contaron con el apoyo de eurodiputados liberales y conservadores de otros países. Vistos los pasos dados por el Consell, que ha evitado la autocrítica, existe la tentación de pensar que con una sentencia y dos campañas de imagen el fiasco se enderezará y en un santiamén las macrourbanizaciones paralizadas por la crisis se reanudarán como si el tsunami de la crisis no hubiera existido.

 

¿Es eso posible en una crisis tan global y profunda como la que se desató en 2007? La respuesta es no, coinciden los expertos consultados por EL PAÍS.

 

El batacazo fue generalizado y deglutió por igual a gigantes inmobiliarios como Llanera o Astroc y arrolló a los pequeños. El último informe de la OCDE advierte de que la economía española no empezará a crear empleo hasta 2013. El caso es serio.

 

"Los problemas son globales. Seguimos cayendo, pero queda poco para tocar fondo", advierte Ignacio Jiménez de Laiglesia. Los promotores hace tiempo que se han comido capital y reservas y no pueden bajar mucho más los precios de las casas y todos sus activos -casas y suelo- han pasado a manos de la banca, que todavía tiene pendiente aflorar las pérdidas de esta última aventura. La mayoría reconoce que hay una demanda de vivienda y que hay que aprender de los errores pasados para evitar repetirlos. Primero hay que vender el stock y luego construir de forma ordenada.

 

"Existe una demanda latente fuerte", asegura Jiménez, que señala al stock de la costa como el más fácil de colocar y el que primero despegará, dado que, a diferencia de España, el resto de Europa evidencia síntomas de recuperación. Para hacer atractivos estos activos, el coste no debería de absorber más del 25% de los ingresos familiares -la hipoteca se llevaba en pleno auge de la burbuja el 50% de las rentas-, agrega este especialista, que sí reconoce rasgos diferenciales en el caso valenciano. "La legislación [en alusión a la liberalización de los procesos de construcción que fue la LRAU] es uno de ellos y el otro, minusvalorar los intereses extranjeros cuando estalló la polémica en torno a posibles abusos. Los políticos gestionaron mal el problema", opina.

 

El padre de la LRAU, el urbanista Gerardo Roger, ve positivo que el Consell venda imagen, pero "hay que hacer cierta autocrítica para que sea creíble porque las cosas se estaban haciendo mal". La crisis financiera y económica es global, pero en España sucedían cosas que no se dieron en EE UU o Reino Unido. "Se ha producido mucha vivienda y casi toda a crédito, con lo que el endeudamiento de particulares y empresas es ahora enorme", dice.

 

Los datos lo corroboran. Entre 2000 y 2007, el precio de los pisos subió un 150% y el del suelo, un 500%. En el caso valenciano se edificó además por encima de de la media española. Si en periodos normales se construyeron 350.000 casas al año, en los años del último boom se pasó a 700.000. En el territorio valenciano se llegaron a levantar más de 90.000 inmuebles anuales. "Por eso el parón ha sido aquí más fuerte y la salida a la crisis es más compleja que en otros lugares", observa Roger. El frenazo financiero -que en el caso valenciano ha salpicado a las dos cajas de ahorros autóctonas- cortó de raíz la fiebre constructora. Y el batiburrillo legislativo valenciano -un rosario de leyes, con más 1.500 artículos, algunos contradictorios- tampoco ayuda.

 

Existe cierto consenso en España sobre el stock inmobiliario: un millón de casas nuevas sin comprador y suelo edificable para levantar 2,5 millones de unidades más, es decir, 3,5 millones en total, que son 10 veces la demanda endógena del país. La Asociación Española de Promotores Inmobiliarios estima que se necesitarán años para digerir el exceso de oferta.

 

En la Comunidad Valenciana existe una oferta de 250.000 casas -edificadas o suelo para erigirlas-, y la mayoría están en manos de unas entidades financieras que no han ajustado totalmente sus activos. Mientras tanto, ¿qué? "Pues hacer de la necesidad, virtud y reorientar la inversión hacia la rehabilitación y regeneración urbana", sugiere Roger. "La rehabilitación genera un 50% más de empleo y no debemos olvidar que el paro es hoy el mayor problema social", añade.

 

El urbanista propone recuperar una banca hipotecaria pública, de la que el ICO podría ser el núcleo, para mover el mercado de vivienda protegida.

 

A los pequeños propietarios atrapados por la crisis en decenas de PAI (Programas de Actuación Integrada) -según denuncia Abusos Urbanísticos No-, solo les queda que la Generalitat y los Ayuntamientos no prorroguen unos proyectos que carecen de viabilidad o que tardarán años en reanudarse. AUN estima que hay 150 PAI en el limbo. La Generalitat ni confirma ni desmiente, solo está por prorrogarlos.

 

Y ¿qué opinan los promotores de todo esto? La asociación valenciana está satisfecha con el fallo del tribunal europeo porque da legitimidad a una legislación pionera en España, la LRAU. "Esto a efectos prácticos significa que podríamos seguir usando la LUV, una vez racionalizado todo su cuerpo legislativo", añade el presidente de la asociación de promotores de Valencia, José Luis Miguel. En su opinión, la presión de los afectados y de la Comisión Europea sobre las leyes urbanísticas provocó una "sobrerreacción" del Consell. "Yo me dedico a este negocio y no me las sé todas [las leyes urbanísticas valencianas]", reconoce.

 

Para este promotor, la reactivación del mercado exige ponerse a trabajar ya, pues para desarrollar un suelo se necesitan de cinco a siete años. Si no se hace camino, cuando vuelva la demanda, habrá poco suelo y volverán a dispararse los precios, sostiene este promotor, partidario de regular la producción a partir de políticas de oferta y no bajo presión de la demanda.

 

La ratio de población media por vivienda es en Europa de 2,4, mientras en España este parámetro crece hasta las 2,7 personas. "Bajándola solo un punto y reduciendo la edad de emancipación de los jóvenes se necesitarían un millón más de casas", calcula el promotor y presidente de Onofre Miguel. "Es una demanda que se está embalsando y que saldrá", añade Miguel, que apuesta por no parar el sector porque volverán las tensiones de la última década. "Solo pedimos", emplaza a las Administraciones en nombre de los promotores, "una reorganización jurídica".

 

El portavoz de los promotores no rehúye la autocrítica y reconoce que se han hecho cosas mal, pero critica que el sector esté tan regulado y controlado -miles de trámites consumen años de trabajo antes de que un terreno pueda urbanizarse- y que los ayuntamientos dependan tanto del urbanismo para financiarse. "Tenemos que refundar este sector pero sin echarnos las culpas unos a otros porque muchos promotores han hecho bien su tarea", declara.

 

Miguel está en la asociación española de promotores y trabaja en el diseño de un plan de activación del sector porque la construcción. El portavoz enumera pequeños cambios. Por ejemplo, aumentar el número de viviendas vendidas antes de comenzar un edificio o que el suelo esté pagado antes de obrar, o que se haga más rehabilitación.

 

No obstante, la pelota está en el tejado de los bancos y cajas, que siguen con el grifo del crédito cerrado y resistiéndose a aflorar la totalidad de las pérdidas del estallido de la burbuja. Una fuente del sector niega que exista un parón generalizado. El año pasado se vendieron en España cerca de 490.000 viviendas, la mitad nuevas. "Ya ha empezado la digestión", dice. Las compras de inversores extranjeros de 3.000 casas, sobre todo en áreas del litoral español es uno de los indicios, aunque sea simbólico. "La previsión es que a lo largo de 2011 se tripliquen las ventas al resto de europeos", continúa.

 

"Al final quedarán sin venderse las de mala calidad, que puede suponer un tercio del stock actual", añade. En cuanto a las subidas y bajadas del precio de la vivienda, estas son cíclicas y se han dado aquí y en Alemania, concluye.

 

Algunas claves del fiasco inmobiliario español y valenciano

- Ajuste de precios. El Banco de España pronostica otra caída del 10% en los precios de la vivienda, dado que el proceso de ajuste no ha terminado.

 

- Bolsa de vivienda. En España existe un consenso sobre que hay un millón de casas de nueva construcción todavía sin comprador. En la Comunidad Valenciana, las últimas cifras conocidas arrojan un stock de 110.000.

 

- Despegue inmobiliario. La asociación de promotores de Madrid, Asprima, apunta a una producción estable de 300.000 viviendas para 2015.

 

- Sobreconstrucción. Durante la última década, en España se construían 700.000 viviendas por año. En la Comunidad Valenciana, el sector llegó a edificar más de 90.000 casas anuales, muy por encima del 10% que suele representar del total nacional. La demanda normal antes de que se formase la burbuja era de unos 350.000 pisos.

 

Endeudamiento. La compra de una vivienda no debería de absorber más del 25% de los ingresos familiares. Durante la burbuja, las familias han comprometido el 50% de sus ingresos en la hipoteca. Bancos, promotores y particulares están fuertemente endeudados.

 

Bancos, propietarios. Bancos y cajas son los grandes propietarios de las viviendas sin vender y de los suelos sin desarrollar. La falta de liquidez financiera, tres años después del estallido de la burbuja, tiene paralizado a todo el sector inmobiliario, se quejan los promotores.

 

- Capital externo. La digestión de la crisis inmobiliaria por parte del sector financiero, puede acabar con la entrada de bancos extranjeros, que cambien, por ejemplo, deuda por capital.

 

- ¿Brotes verdes? En 2010 se vendieron unas 490.000 viviendas en España, según fuentes financieras, la mitad de obra nueva y la otra mitad de segunda mano. Otras economías europeas, más recuperadas de la crisis que la española, empiezan a comprar de nuevo inmuebles en España, sobre todo en la costa.

  

© EDICIONES EL PAÍS S.L. - Miguel Yuste 40 - 28037 Madrid [España] - Tel. 91 337 8200

  

www.elpais.com/articulo/Comunidad/Valenciana/Vuelve/urban...

Capre Astrocar bus in San Miguel de Allende, Mexico.

Available for sale in my Etsy Shop! Search for "HiTechWorld" no spaces.

M82, NGC 3034, the Cigar galaxy

12 million light year's away in the constellation of Ursa Major, the Great Bear.

Taken with a Skywatcher 150p Newtonian telescope on a HEQ5 pro mount. Using a stock Canon 1100D.

28 light frames of 70 seconds, with darks & bias.

NGC7000 North America Nebula. Altair Astroc 183C Non-Cooled. Optolong L-eXtreme. WO SpaceCat51. 10 x 5 mins. SkyWatcher EQ-R Pro. Captured in NINA. Processed in APP. Combined in Photoshop/Lightroom.

The Confessor is the protagonist of one of the more popular stories from Kurt Busiek and Brent Anderson's Astro City comic book.

Manufactured by the Miracle Equpiment Company of Grinnel, IA

Samaritan: Asa Martin, superhero from the future, protector of Astro City, and member of the Honor Guard with enhanced strength and senses and who can manipulate energy, access alternate dimensions, and fly.

 

Martian Manhunter: J'onn J'onzz, superhero from the planet Mars, and member of the Justice League of America with enhanced strength and senses and who can shape-shift, become invisible, and fly.

 

If they had to fight, who would win?

 

#218 in the Duel 365 series.

Foto tomada por Iñigo y @astrocosas. Planificación técnica y edición mía.

O NOVO IVECO STRALIS, DA NOVA GERAÇÃO ECOLINE, VEM COM CINCO OPÇÕES DE MOTORIZAÇÃO E GARANTIA DE QUATRO ANOS.

 

• Novos motores de 9 e 13 litros com cinco versões (330, 360, 400, 440 e 480 cv) colocam o IvecoStralis em todos os segmentos pesados e extrapesados.

 

• Baixo custo operacional é destaque, com manutenção até 5% mais barata que a concorrência e consumo de combustível até 7,5% menor que a versão anterior.

 

• Com transmissão manual e automatizada, a nova geração Stralis é ainda mais completa e oferece também novos itens de série e opcionais.

 

• Exclusiva garantia de quatro anos, a maior do segmento, ratifica a confiabilidade do produto e a evolução constante da qualidade.

 

• Sistema Frota Fácil de gerenciamento é o mais completo do mercado com bloqueio, rastreamento e telemetria, para melhor acompanhamento dos custos operacionais.

 

A Iveco apresenta a nova gama Stralis, pertencente à Nova Geração Ecoline, comdois novos motores, incluindo um de 9 litros, que faz sua estreia mundial no Brasil, ao lado do tradicional 13 litros dos caminhões extrapesados da marca, ambos da família Cursor, produzidos pela FPT Industrial. Assim, a Iveco amplia para cinco as opções e potência, partindo de 330 e 360 cv (9 litros), passando por 400 e 440 cv (13 litros) e culminando com 480 cv (13 litros), a mais alta já oferecida em um Stralis no Brasil. A transmissão automatizada é de série nos modelos de 13 litros, que trazem também o freio motor mais potente da categoria (415 cv). Há duas novas opções de entre-eixos e a cabine tem novo acabamento e conteúdo, com maior conforto.

 

Os novos IvecoStralis são até 7,5% mais econômicos em consumo de combustível em relação à geração anterior, e seus custos de manutenção são até 5% menores que a concorrência em três anos de uso. E a nova geração Stralis é a única família d pesados e extrapesados com quatro anos de garantia, sendo o primeiro ano para oveículo completo e os três seguintes para o trem de força. “Fruto do maior desenvolvimento feito pela Iveco fora da Europa,a nova geração do IvecoStralis é sinônimo de flexibilidade, versatilidade e confiabilidade”, explica Marco Mazzu, residente da IvecoLatinAmerica. “Com cinco opções de potência, atendemos a todas as demandas do segmento de pesados e extrapesados”, continua ele. “Maior conforto e excelente dirigibilidade melhoram a eficiência”, emenda o presidente, que conclui: “Tudo isso com preços muito competitivos, os menores custos operacionais e garantia de quatro anos, a maior do mercado, uma combinação que faz do novo IvecoStralis o caminhão que o frotista e o motorista sempre sonharam”.

 

A nova geração IvecoStralis é também muito generosa em equipamentos. Asversões a partir de 400 cv trazem câmbio automatizado e freios ABS de série, com ajustador de folga automático e sensor de desgaste das lonas em todos os eixos, transferência de carga para eixo de apoio (na versão 6x2), etanque alumínio.

Por dentro, vem com ar-condicionado, bancodo motorista pneumático com ajuste lombar e econômetro integradoao novo painel de instrumentos. Ainda nos itens de série, a partir do 440cv, há vidros e espelhos elétricos, coluna dedireção pneumática totalmente ajustável, suspensão da cabinepneumática, entre outras novidades de acabamento e conteúdo.

 

Com o novo IvecoStralis, a Iveco continua o sucesso do modelo,que já acumula 22 mil unidades vendidas no Brasil desde quefoi lançado em 2004 na versão HD, logo apelidado de “valente”por sua força e resistência. Em 2007, surgiu o Novo Stralis, com380 e 420 cv, nova cabine e interior. O Stralis NR chegou em2010 com 380, 410 e 460 cv, transmissão ZF de 16 marchas e osistema de gestão Frota Fácil. Em 2011, veio o NR Eurotronic,com caixa automatizada.Com a nova gama, a Iveco quer ampliar seu marketshare nosextrapesados, hoje ao redor de 12%, e chegar a 14, 15% empouco tempo. Isso porque, com cinco faixas de potência, a Ivecopoderá atender os grandes transportadores na gama mais altae especialmente facilitar a entrada dos pequenos frotistas e dosautônomos ao segmento de caminhões pesados que chamamosde “premium”, com cabines mais espaçosas e mais confortáveisnas viagens em estradas. Hoje boa parte dos modelos nestesegmento tem cabines menores que a do Stralis.

 

“Lançamos seis famílias de caminhões entre 2007 e 2011 e játínhamos a gama de caminhões mais moderna do Brasil”, dizMarco Mazzu. “Agora renovaremos todos os modelos, maisuma vez”. A nova família Stralis é o quarto lançamento da Ivecoeste ano, depois das apresentações das novas gerações doDaily, Trakker e Tector. “Nossos veículos estão ainda mais confortáveise robustos, com motores perfeitamente adaptados aoBrasil, com maiores potências, melhor desempenho e com omelhor custo-benefício, além de serem muito mais econômicose mais amigáveis ao meio ambiente”, diz ele.

 

Economia de combustível de até 7,5%

Ao se defrontar com as mudanças exigidas pelo Proconve P7,a Iveco não se preocupou só em atender às novas emissões.A empresa reviu sua estratégia de produto e decidiu expandirsua oferta, trazendo modificações técnicas para melhoraro desempenho e a economia, baixar os custos de manutenção,aumentar a robustez, ampliar o conforto. Os caminhões foramreprojetados em uma gama completa de pesados e extrapesadosque atende a todas as necessidades do segmento onde estãoos profissionais mais especializados e que poderão escolhercom maior precisão o produto certo para suas aplicações. Ocorreto dimensionamento entre as especificações do produtoe a necessidade do cliente coloca a nova geração Stralis numoutro patamar de produtividade. Comparados aos modelos anteriores,os modelos da nova geração Stralis são até 7,5% maiseconômicos.

 

A Iveco decidiu, por exemplo, adotar dois motores da famíliaCursor, da FPT Industrial, na gama Stralis: o de 13 litros, já usadoanteriormente, e uma nova versão de 9 litros, que tem sua primeiraaplicação mundial em caminhões no Brasil. Ambos usama tecnologia SCR (que utiliza o ARLA 32), todas com aumentode potência e torque. O leque de potência vai agora de 330 a480 cv para atender desde a faixa de entrada dos modelos pesadosde 45 toneladas de PBT, até as mais altas, de extrapesadosde 74 toneladas de PBT, cobrindo desde as carretas de trêseixos até bitrens e rodotrens de nove eixos.

 

Os IvecoStralis com motor FPT Cursor 13 começam com aversão de 400 cv (com 1.900 Nm de torque), oferecida comas trações 4x2 e 6x2. O modelo com 440 cv (e 2.100 Nm detorque) vem nas versões 4x2, 6x2 e 6x4. Já o modelo top delinha, com 480 cv (e 2.250 Nm de torque) está disponível comtração 6x4, orientado para as composições bitrem e rodotrem.Os IvecoStralis com motor Cursor 9 oferecem 330 cv (1.300Nm) e 360 cv (1.500 Nm), o maior torque entre os motores depotência similar, ambas nas versões 4x2 e 6x2.Somente em termos de motor e tração são 10 as opções aocliente. Antes, o IvecoStralis era disponível em apenas umaopção de entre-eixos: 3.500 mm. Agora estão disponíveis asvariações de 3.000 mm e 3.200 mm, para os modelos de 400,440 e 480 cv, o que multiplica as possibilidades de adequaçãodo produto à operação. Somando versões de motor, tração,transmissão, de entre-eixos e de cabine a Nova Geração StralisEcoline pode ser encomendada em 66 opções diferentes.

 

Maior segurança e praticidade.

Todos os modelos usam a confiável transmissão ZF16AS2630TO, de 16 velocidades, que é automatizada de série a partir dos400 cv (e opcional para o 360 cv) e cujo acionamento se dá porteclas (D, N, R) no painel, localizadas à direita dos instrumentos,incluindo a tecla ECO da condução econômica. Nas versões330 e 360 cv, ela é manual (um opcional para os demais modelos)e vem com uma novidade: o sistema “H sobreposto” comgerenciamento eletrônico, que facilita os engates e minimizaerros nas trocas de marchas. Nas versões manuais, manteve-sea exclusiva embreagem Heavy Duty, patenteada mundialmente.

 

Além de potentes e econômicos, os novos Stralis possuem oexclusivo freio motor IvecoTurboBrake (NR), que atua no cabeçote,com 415 cv nos motores 13 litros (o mais potente dacategoria), que pode chegar a 978 cv com o opcional Intarder,também a maior do mercado para caminhões desta categoria.Nos dois casos, o sistema atua em quatro estágios e é facilmenteacionado por uma alavanca do lado direito do volante. Nosmotores 9 litros, o freio motor entrega 315 cv.

 

Dirigir com segurança é também um fator de economia operacional.Por isso, a Iveco dotou a nova família Stralis com freiosABS de série nos modelos 13 litros e nas versões automatizadas.Outra novidade que combina segurança e praticidade é oajustador automático de folga das lonas de freio, com sensorde desgaste em todos os eixos, de série em todas as versões.

 

Nas versões 6x2, há o “auxílio de partida”, que por meio deuma tecla no painel levanta o terceiro eixo e faz a transferênciade carga para o eixo de tração, o que ajuda nas arrancadas como caminhão em aclives ou terrenos irregulares. Nas versões6x4, há o bloqueio de diferencial eletropneumático de série,com proteção de velocidade. Os veículos também tem a opçãode serem preparados para a instalação de tomadas de força,dispensando qualquer adaptação de terceiros.

 

Maior conforto para maior produtividade.

Conforto é outro fator de produtividade, e a ergonomia é oponto forte da nova geração Stralis. A partir do 440cv, asuspensão da cabine pneumática, feita por quatro pontos independentes,gera excelente nível de conforto.

As cabines podemser teto alto ou baixo, sempre na versão leito nos modelos 13litros e, novidade na gama, a cabine curta nas versões 9 litros.Para otimizar o espaço interno, nas versões teto baixo, a camafoi rebaixada em 30 cm, mudança pedida pelos clientes que melhora a mobilidade interna.

 

O novo acabamento interno é preto, um pedido dos clientes,e inclui tratamento acústico de alta eficiência. Os bancos (como logo Iveco bordado no encosto) tem suspensão individualpneumática, com exclusivo ajuste lombar no do motorista. Apartir do 440cv o volante possui ajuste pneumático de alturae inclinação. O ar-condicionado é de série a partir da versão de360 cv. CD player com MP3 vem de série nos modelos 400, 440e 480 cv, sendo opcional no 330 e no 360 cv. Os retrovisorespossuem ajuste e desembaçador elétricos. Luzes de led paraleitura e iluminação automática de segurança para acesso à cabinacompletam o sistema.

Há vários porta-objetos de todos ostamanhos e o espaço sob a cama é o maior da categoria. Umbox térmico de série a partir do 440 cv fica posicionado sob a cama do motorista, tendo a geladeira como opcional.

 

O volante traz integradas as teclas de comando do computadorde bordo e suas várias funções. “Pelo computador de bordo, épossível checar itens como luzes, sistema de freios, sistema elétrico,lubrificantes”, conta Marcello Motta, diretor da Plataformade Pesados da Iveco. Todos os modelos são equipados com pilotoautomático. Mudou o desenho do painel de instrumentos,que inclui o econômetro, que indica o consumo instantâneo decombustível e a pressão do turbo, entre elas, indicação do nível do tanque de ARLA 32. Velocímetro, conta-giros e indicadores de nível de combustível e de pressão de óleo são rodeados poruma série de luzes-alerta de fácil compreensão. No contornodesse conjunto de instrumentos, localizam-se as teclas de acionamentodos faróis (baixo, alto, neblina, retroneblina), do pilotoautomático e do bloqueio diferencial. O novo Stralis vem equipado com tanque de combustível emalumínio – de série – com capacidade de 600 até 900 litros e otanque de ARLA 32 com capacidades de 55 e 100 litros (essaúltima em versão opcional).

 

Como estilo é importante neste segmento, o IvecoStralis (umdos mais bonitos caminhões de sua categoria) vem equipadocom tanque de combustível de alumínio, sendo dois tanques(um de cada lado) nas versões de 440 e 480 cv. Há ainda aimpactante opção dos defletores de ar laterais e superior, queaumentam a presença e imponência, ao mesmo tempo em quemelhoram a aerodinâmica do veículo.

 

4 anos de garantia e custos de manutençãoaté 5% mais baixos.

O processo de testes de extrema agressividade usado no desenvolvimentoda Nova Geração Ecoline da Iveco estabeleceuum novo padrão de resistência e confiabilidade global dentro damarca. Os caminhões Iveco desenvolvidos no Brasil podem serconsiderados os mais resistentes do mundo, pois podem circularem qualquer lugar. Devido às condições locais, o nível deesforço sobre um componente pode ser 20 vezes maior do queo verificado em produtos europeus. Muitas soluções surgidasno trabalho conduzido pelo Centro de Desenvolvimento deProduto da Iveco em Sete Lagoas (MG) acabaram incorporadaspela empresa em outros mercados.

 

Foram dois anos de desenvolvimento, um milhão de horas/homemde trabalho, uma centena de protótipos e cerca de cincomilhões de quilômetros de testes. Entre as novidades surgidasneste processo, estão uma nova geração de chicotes elétricosde elevado padrão de blindagem contra umidade, poeira e trepidaçãoelevada, reforços gerais de carroçaria, catalizadores paraa tecnologia SCR com estrutura mais resistente, nova válvula defreio de serviço e nova válvula (APU) de superior eficiência notratamento do ar do sistema de freios etc.

 

Por conta de tudo isso, o novo IvecoStralis é o único caminhãodo mercado com garantia de quatro anos. A garantia é longaporque o produto é extremamente confiável. E o projeto incluiudecisões tecnológicas que diminuem as paradas técnicas de manutenção do produto. Em três anos de uso, com 60 milkm rodados por ano, os custos de manutenção da nova geraçãoIvecoStralis chegam a ser até 5% menores em relação a seusconcorrentes diretos.

 

A manutenção da nova família Stralis é a mais espaçada entre oscaminhões pesados e extrapesados. A manutenção inicial paraaplicações bitrem e rodotrem, por exemplo, é feita somente aos30.000 quilômetros, e as revisões periódicas devem acontecerem intervalos de 30.000 quilômetros. Parando menos vezes,amplia-se o tempo produtivo do caminhão. Os novos motoresCursor 9 e Cursor 13 usam óleo sintético com intervalos detroca a cada 80 mil quilômetros, contra os 40 mil quilômetrosexigidos pelo óleo mineral. A utilização de óleo sintético natransmissão prevê trocas em intervalos de 360.000 km no usorodoviário e 180.000 km no uso severo, contra médias muitomais curtas que as da concorrência. Já nos eixos traseiros astrocas são de 240.000 km na aplicação rodoviária e 120.000 km na aplicação severa.

 

Neste mais novo lançamento da Nova Geração Ecoline, estápresente também a garantia da excelência do pós-venda “Emqualquer lugar, na hora que você precisar”, um compromissoda disponibilidade dos serviços Iveco para cada um dosseus clientes. Dentre os programas prestados, destacam-seTop Driver Iveco, a entrega técnica Iveco, o Tele Serviço Iveco eo IvecoAssistance Non-Stop.

 

Frota Fácil potencializa rentabilidadeda nova geração IvecoStralis.

O melhor e mais completo sistema de telemetria do mercado, oIveco Frota Fácil está disponível como opcional em toda a NovaGeração IvecoStralis e é a ferramenta ideal para potencializartodos os benefícios da nova gama de pesados e extrapesadosda Iveco. Lançado no mercado em 2010 com a função de rastreamentoe telemetria, e agora disponível com a função bloqueio(que imobiliza o veículo a distância), o Frota Fácil é uma ferramentade simples utilização para o controle e redução do custooperacional das frotas, seja complementando os sistemas degestão já utilizados pelas transportadoras, seja oferecendo aos pequenos empresários e autônomos um instrumento simples eútil para melhorar o desempenho de suas operações.

 

“A grande vantagem do Frota Fácil é que ele é o único sistemade telemetria e rastreamento do mercado totalmente aberto,ou seja, ele não está vinculado a nenhum provedor de serviçose pode ser, portanto, operado pelo provedor de preferência ouhábito do cliente ou de forma totalmente independente”, explica Cristiane Nunes, gerente de Gama Produto Pesados.

“Além disso, o Frota Fácil não requer nenhuma adaptação especialcomo as exigidas por outros sistemas, que são conectadasaos chicotes elétricos ou outros componentes, impactandona condição original do veículo”, comenta Cristiane. No IvecoStralis, o caminhão já vem com predisposição para o uso do sistema,no estilo plugand play. “É fácil mesmo”, explica Cristiane.

 

Com acesso aos dados da central eletrônica do caminhão, oFrota Fácil oferece aos grandes frotistas ou aos autônomos informaçõesimportantes que permitem verificar o desempenhodo caminhão, além de garantir que o mesmo esteja sendo conduzido de forma segura. Entre os dados possíveis de verificaçãoestão:

 

Desempenho:

• Média de consumo de combustível por viagem.

• Tempo na faixa econômica.

• Tempo com freio motor ligado.

• Frenagens emergenciais.

• Excesso de rotação do motor.

• Tempo em neutro (“banguela”).

 

Mecânica:

• Superaquecimento do líquido de arrefecimento do motor.

• Pressão baixa do óleo do motor.

• Alarmes de diagnose de falhas (EOBD).

 

Dados de viagem:

• Relação de paradas.

• Hodômetro.

• Velocidade média.

• Horímetro motor.

• Nível do tanque de ARLA 32.

• Retirada/perda de ureia.

 

Desenvolvido no Brasil, com garantia original Iveco, o Frota Fácil contempla módulo eletrônico embarcado, sistema de transmissãode dados via GPS e comunicação celular GPRS. O móduloeletrônico recebe diretamente da centralina a telemetria docaminhão, enquanto o posicionamento do veículo é monitorado ela antena GPS. Todas essas informações são enviadas depoisàs empresas de rastreamento via antena de comunicaçãocelular (GPRS), que podem traduzi-las em análises operacionaiscompletas, integradas aos sistemas das operadoras ou analisadasà parte.

 

O Frota Fácil da Nova Geração Ecoline, além da adição dafunção Bloqueio e de novas funções de telemetria (como, porexemplo, a medição do nível de ARLA 32), recebeu uma novasaída RS232, que permite ao provedor de serviço captar dados de telemetria diretos do caminhão e ter uma melhor interfacesem adaptações também via satelital.

 

Para os autônomos e pequenos frotistas que não utilizam rastreamentoou monitoramento, o Frota Fácil permite que osdados do módulo sejam carregados em um computador pormeio da porta USB instalada no painel do veículo. “Por intermédio de um software amigável, eles podem analisar consumo decombustível diário ou médio do período, tempo na faixa econômica,velocidade, rotação do motor, frenagens de emergênciaetc.”, exemplifica Cristiane.

Podem acessar, também, a pressãode óleo e superaquecimento do motor. E podem controlar aviagem monitorando histórico de paradas, horas dirigidas, quilometragemtotal e percorrida etc.

 

Os dados são disponibilizados na forma de gráficos e relatóriosde fácil entendimento. “Com custo reduzido, o Frota Fácil ajudarána profissionalização do pequeno frotista e do autônomo”,prevê Cristiane Nunes.

 

Capre Astrocar bus in San Miguel de Allende, Mexico.

Available for sale in my Etsy Shop! Search for "HiTechWorld" no spaces.

Available for sale in my Etsy Shop! Search for "HiTechWorld" no spaces.

This is the New Astro City after the monitor has been adjusted and it has been reassembled.

 

The 15khz signal support of the WeiYa isn't perfect, but it still looks very good. Besides I'll get around to firing up the NAOMI at 31khz soon enough.

 

Seeing Vampire Savior is like meeting an old friend.

 

I also got a SEGA ashtry which holds my keys(non-smoking household and all). And if you are wondering the keys are attached to a Lego Ninjago Sensei Wu keychain.

1 3 4 5 6 7 ••• 9 10